Русский English 中国 Português 日本語 Indonesia

Céfalo e Prócris

Kefal era filho do deus Hermes e filha de Kekrop, Khersa. Em toda a Grécia, Cephalus era famoso por sua beleza maravilhosa, e também era famoso como um caçador incansável. Cedo, antes do nascer do sol, ele deixou seu palácio e sua jovem esposa Procris e foi caçar nas montanhas de Hymet. Certa vez, a deusa de dedos rosados ​​do amanhecer Eos viu o belo Céfalo, sequestrou-o e levou-o para longe de Atenas, até os confins da terra. Céfalo amava apenas Prócris, só pensava nela, o nome dela não saía de seus lábios. Ele ansiava pela separação de sua esposa e orou à deusa Eos para deixá-lo voltar para Atenas. Eos ficou com raiva e disse a Cefalú:

- Bem, volte para Procris, pare de reclamar do seu destino! Algum dia você vai se arrepender de que Prócris seja sua esposa, você vai se arrepender até de tê-la reconhecido! Ah, eu prevejo que isso aconteça!

Lançado Eos Cephalus. Dizendo adeus a ele, ela o convenceu a testar a fidelidade de sua esposa. A deusa mudou a aparência de Céfalo, e ele voltou sem ser reconhecido para Atenas. Astuciosamente, Cephalus entrou em sua casa e encontrou sua esposa em profunda tristeza. E na tristeza Prócris era linda. Céfalo falou com sua esposa e tentou por muito tempo convencê-la a esquecer o marido, deixá-lo e se tornar sua esposa. Não reconheceu o marido de Procris. Por muito tempo ela não quis ouvir o estranho e ficou repetindo:

- Eu amo apenas Cephalus e permanecerei fiel a ele. Onde quer que ele esteja, vivo ou morto, serei eternamente fiel a ele!

Finalmente, Cephalus a sacudiu com ricos presentes. E ela já estava pronta para se curvar a seus apelos. Então, assumindo sua imagem real, Cephalus exclamou:

- Errado! Eu sou seu marido, Céfalo! Eu mesmo sou testemunha de sua infidelidade!

Procris não disse uma palavra ao marido. Abaixando a cabeça envergonhada, ela deixou a casa de Cephalus e foi para as montanhas cobertas de floresta. Lá ela se tornou a companheira da deusa Artemis. Como presente da deusa, Prócris recebeu uma lança maravilhosa que sempre acertava o alvo e voltava para quem a arremessava, e um cachorro Laylapa, de que ninguém poderia escapar animal selvagem.

Cefal não conseguiu viver muito longe de Prócris. Ele procurou sua esposa na floresta e a convenceu a voltar. Prócris voltou para o marido e eles viveram felizes por muito tempo. Lailapa Procris deu sua maravilhosa lança e cachorro ao marido, que, como antes, foi caçar antes do amanhecer. Sozinho, sem escolta, Kefal caçava, ele não precisava de assistentes - afinal, ele tinha uma lança maravilhosa e Laylap com ele. Certa vez, de manhã cedo, Cephalus estava caçando; ao meio-dia, quando chegou o calor escaldante, começou a procurar proteção à sombra do calor. Cephalus andou devagar e cantou:

- Oh, doce frieza, venha para mim em breve! Ai meu peito aberto! Aproxime-se de mim, frescor cheio de felicidade, e dissipe o calor escaldante! Oh, celestial, você é minha alegria, você me revive e me fortalece! Oh, deixe-me respirar seu doce hálito!

Um dos atenienses ouviu Céfalo cantando e, não entendendo o significado de sua canção, disse a Prócris que ouvira seu marido chamar alguma ninfa de Frieza na floresta. Prócris ficou triste, ela decidiu que Céfalo não a amava mais, que a havia esquecido por outro. Certa vez, quando Céfalo estava caçando, Prócris entrou secretamente na floresta e, escondendo-se em arbustos densamente cobertos de mato, começou a esperar a chegada do marido. Aqui apareceu entre as árvores e Kefal. Ele cantou alto:

- Oh, frieza cheia de carícias, venha e afaste meu cansaço!

De repente Cephalus parou - ele ouviu um suspiro pesado. Kephal ouviu, mas tudo está quieto na floresta, nem uma única folha se move no calor do meio-dia. Cephalus cantou novamente:

- Depressa para mim, bem-vindo coolness!

Assim que essas palavras foram ditas, algo silenciosamente farfalhava nos arbustos. Céfalo, pensando que algum animal selvagem havia se escondido neles, jogou uma lança que não sabia errar nos arbustos. Procris gritou alto, golpeado no peito. Kefal reconheceu a voz dela. Ele correu para os arbustos e encontrou sua esposa neles. Todo o seu peito estava coberto de sangue; a ferida era mortal. Céfalo apressa-se a enfaixar a ferida de Prócris, mas tudo em vão. Prócris morre. Antes de morrer, ela disse ao marido:

- Oh, Céfalo, eu te conjuro com a santidade de nossos laços matrimoniais, os deuses do Olimpo e os deuses subterrâneos, para os quais estou indo agora, eu te conjuro e meu amor, não deixe aquele que você chamou agora entre em nossa casa!

Cefal entendeu pelas palavras do moribundo Prócris, que a desencaminhou. Ele se apressa para explicar a Procris seu erro. Procris está enfraquecendo, seus olhos nublados com a morte, sorrindo gentilmente para Kefalu, ela morreu em seus braços. Com o último beijo, sua alma voou para o sombrio reino de Hades.

Cephal ficou inconsolável por um longo tempo. Como assassino, ele deixou sua Atenas natal e se retirou para os sete portões de Tebas. Aqui ele ajudou Anfitrion na caça à esquiva raposa Tautesiana. Ela foi enviada como punição aos tebanos por Poseidon. Todo mês um menino era sacrificado à raposa para de alguma forma saciar sua fúria. Kephal soltou seu cachorro Laylapa na raposa. Laylap estaria perseguindo a raposa para sempre se o Thunderer Zeus não tivesse transformado a raposa e Laylap em duas pedras. Depois de caçar a raposa Tautesiana, Cephalus participou da guerra Amphitrion com os teleboys e, graças à sua coragem, alcançou o poder sobre a ilha de Kefalenia, em homenagem ele - lá e ele viveu até sua morte.