Русский English 中国 Português 日本語 Indonesia

Alexandre, o Grande, suas campanhas

Ascensão ao trono de Alexandre.

Em 336, Filipe foi inesperadamente morto na festa de casamento de sua filha por um de seus guarda-costas. O assassino foi enviado pelos persas, que sabiam da campanha iminente, ou pelos aristocratas macedônios, que estavam insatisfeitos com suas políticas. O filho de vinte anos de Philip, Alexander (336-323), tornou-se o chefe de Estado.

A morte de Filipe atrasou a campanha oriental por dois anos, mas a Pérsia não aproveitou o atraso de maneira benéfica, pois decaiu gradualmente por dentro e não conseguiu resistir à Macedônia. Além disso, era uma potência multinacional e as tendências separatistas que facilitaram o caminho de Alexandre para o Oriente eram fortes em muitas de suas áreas.

Existem muitas histórias e lendas associadas a Alexandre. Seu nascimento já foi acompanhado por sinais milagrosos. O professor de Alexandre foi o próprio Aristóteles, especialmente convocado para a corte de Filipe. Como recompensa pela educação de seu filho, Philip restaurou a cidade natal do filósofo em Halkidiki, Stagira, que havia sido destruída por ele. Graças a Aristóteles, o amor de Alexandre pela cultura, literatura e filosofia gregas permaneceu até sua morte: por exemplo, ele levou a Ilíada com ele para todos os lugares, colocando-a em uma caixa junto com um punhal.

Antes da campanha, o rei visitou o famoso filósofo Diógenes, que naquele momento estava deitado ao sol e descansando. Alexandre perguntou se Diógenes queria alguma coisa, ao que ele respondeu: "Vá embora e não bloqueie o sol para mim". Quando aqueles que acompanhavam Alexandre começaram a zombar do sábio, ele os puxou, dizendo: "Se eu não fosse Alexandre, gostaria de ser Diógenes."

Desejando receber bons presságios antes da expedição, o rei foi ao santuário de Delfos, mas chegou lá em um momento não favorável para previsões, como disse a sacerdotisa que o encontrou. Alexandre, que não sabia como recuar, insistiu e, quase à força, arrastou a Pítia para fora do templo para que ela desse uma previsão. Então, cedendo a pedidos urgentes, a sacerdotisa exclamou: "Você é invencível, meu filho." Alexander respondeu que essas palavras foram suficientes para ele e foi embora.

Já pouco antes do início da campanha, o suor apareceu na estátua de Orfeu na Macedônia. Alguns consideraram este fato um sinal desfavorável, mas segundo outros, Alexandre, como um grande comandante, fará muitos escritores suarem e trabalharem, que cantarão suas façanhas. E assim aconteceu.

A primeira fase da campanha do Leste (334-331).

Na primavera de 334, Alexandre cruzou o Helesponto com uma pequena força para conquistar o mundo (35.000) e se encontrou no rio Granik na primeira batalha com o exército do rei persa Dario III, derrotando-o. O próprio Dario não participou da batalha: mercenários gregos saíram do seu lado. Alexandre aproveitou a falta de centralização no exército persa e o fato de que as cidades gregas da Ásia Menor (Éfeso, Mileto) o esperavam como libertador. Alexandre restaurou sua independência e ordem democrática. Sendo um político sutil, o rei preservou o autogoverno local em áreas não gregas, apenas colocando-o sob o controle dos macedônios; não arrecadava impostos, respeitava os costumes e tradições da população conquistada. Essa política lhe rendeu grande popularidade.

Alexandre passou pela Ásia Menor e acabou na cidade frígia de Górdio, onde o chamado "nó górdio" foi amarrado em uma das carruagens, que apenas o governante da Ásia estava destinado a desatar. Alexandre cortou.

A segunda vez que o rei encontrou os persas perto da cidade de Iss em 333, em um vale montanhoso e estreito no norte da Síria, onde o exército de Dario não pôde se posicionar, Alexandre infligiu uma derrota esmagadora nele, capturando o comboio real com seu esposa, mãe e filhos de Dario que conseguiram correr sozinho. O vencedor tratava os cativos de maneira régia, cercando-os de honra. Depois de Issus, todas as cidades sírias e fenícias passaram para o lado de Alexandre, que por muito tempo sitiou apenas Tiro, considerado inexpugnável, e a tomou, despejando uma barragem do continente para a cidade localizada em uma ilha fortificada e enrolando torres de cerco até então desconhecidas com mais de cinquenta metros de altura até as muralhas.

O objetivo da campanha (vingança pelas guerras greco-persas) foi alcançado, e os aristocratas macedônios dissuadiram Alexandre de ir mais longe, oferecendo-se para aceitar os termos da paz de Dario. Mas o rei insistiu em continuar a campanha e em 332 entrou no Egito, onde foi novamente recebido como libertador dos persas. Ele fundou Alexandria, que mais tarde desempenhou um papel importante na história do mundo helenístico, e fez uma peregrinação ao templo de Amon, a oeste do Egito, onde o sacerdote o reconheceu como filho de um deus e faraó, após o que Alexandre introduziu a deificação de sua pessoa - a autodeificação se tornaria o suporte ideológico dos governantes helenísticos. Os gregos da Grécia balcânica aceitaram com indiferença a notícia da deificação de Alexandre: "Se Alexandre quer ser um deus, que o seja". E Demóstenes, não sem malícia, sugeriu que ele fosse feito filho de Poseidon ou Zeus.

A segunda etapa da campanha (331-329).

Do Egito, Alexandre dirigiu-se ao nordeste para o norte da Mesopotâmia, onde conheceu Dario III pela terceira vez na cidade de Gaugamela, ou Arbela (331). Dario usou carruagens, cujos machados foram anexados com foices, esperando não apenas romper, mas também intimidar o exército de Alexandre. Os disciplinados macedônios se separaram e deixaram que as carruagens velozes passassem pelas fileiras. Após a derrota, Dario fugiu ainda mais para o Oriente, e Alexandre, seguindo-o, entrou na Babilônia (331), e depois na capital da Pérsia, Persépolis (330), onde pela primeira vez encontrou feroz resistência, aparecendo diante da população não como um libertador, mas um invasor. Tendo tomado a cidade, ele foi para o noroeste em direção à Média e capturou sua capital Ecbátana (330), perseguindo Dario, que acabou morrendo nas mãos de um dos sátrapas. O corpo de Dario foi entregue a Alexandre, que organizou um magnífico funeral para seu recente inimigo. A ideia original da campanha - vingança contra os persas - finalmente se esgotou, e Alexandre já se considerava o sucessor de Dario, o governante supremo da Pérsia e o vingador de sua morte, como sinal de que o traidor sátrapa era executado.

Entre a nobreza macedônia, que se considerava violada em seus direitos em relação à aristocracia oriental conquistada, surgiu uma conspiração. Ele foi rapidamente suprimido, no entanto, no futuro, Alexandre tornou-se mais orientado para a nobreza local como suporte para seu próprio poder. O rei seguiu em frente, ocupando as regiões do Cáspio e da Pártia.

Terceira (329-327) e quarta (327-324) etapas da campanha.

O exército atravessou a cordilheira Hindu Kush e entrou na Ásia Central, o território do moderno Uzbequistão: as regiões da antiga Sogdiana e Bactria (subjugada por 328). Alexandre entrou em um casamento dinástico com a filha do rei bactriano Roxana.

Em 327, começou a etapa final da campanha. Alexandre invadiu o Punjab, no noroeste da Índia, e atravessou o rio Indo. Os macedônios em uma batalha aberta pela primeira vez encontraram elefantes de guerra, mas derrotaram o rei local Por. Formalmente, Alexandre o derrotou e fez as pazes, mas ele teve um alto preço. O grande conquistador exortou os soldados a irem mais para o Oriente: parecia-lhe que o exército atravessaria rapidamente a Índia, alcançando os oceanos, e todo o ecúmeno, segundo as idéias do homem antigo, estaria sob o domínio da Macedônia. No entanto, planos tão brilhantes e vertiginosos não perturbaram o exército cansado: a insatisfação com o rei surgiu entre ele, e os soldados forçaram Alexandre a voltar. Antes do retiro, ele fundou vários postos avançados, em particular, a cidade de Bucéfalo, em homenagem ao seu amado cavalo morto.

O exército seguiu para o sul até o Oceano Índico e retornou à Babilônia em dois destacamentos, um por terra e outro por mar. A campanha terminou por 324

A criação de uma grande potência.

Como resultado da campanha oriental, surgiu um enorme poder, que acabou sendo impossível manter apenas pelas forças dos macedônios, então Alexandre, dando preferência a seus companheiros de tribo, não se esquivou de cooperar com os bárbaros e atraiu a aristocracia local para administrar as regiões. Ele procurou combinar a cultura oriental e greco-macedônia e, uma vez em Susa, organizou o casamento de dez mil de seus guerreiros com mulheres locais. Cidades recém-fundadas com uma população mista local e greco-macedônia tornaram-se redutos para a propagação da influência grega nas áreas conquistadas: o rei forneceu aos macedônios e à nobreza local as posições mais altas.

Alexandre centralizou a emissão de moedas de ouro e prata, agora cunhadas em grandes quantidades nos moldes do sistema monetário ateniense. Houve uma redistribuição global de valores materiais: os tesouros que estavam na posse dos governantes orientais e descansando no Oriente como um peso morto foram colocados no comércio ativo.

Alexandre, usando a herança das tradições orientais e greco-macedônias, se divinizou e transferiu a capital do estado para a Babilônia. A Grécia, por outro lado, tornou-se uma periferia da vida política e, permanecendo uma fonte de influência cultural e religiosa no mundo helenístico, deixou finalmente de existir como centro político do Mediterrâneo.