Русский English 中国 Português 日本語 Indonesia

Polifemo, Akis e Galatea

A bela Nereida Galateya amava seu filho Simefida, a jovem Akid, e Akid adorava a Nereida. Nenhum Akid foi cativado por Galatea. O enorme Ciclope Polifemo uma vez viu a bela Galatea, quando ela flutuava nas ondas do mar azul, brilhando com sua beleza, e ele ardia de amor violento para ela. Oh, quão grande é o seu poder, dourada Afrodite! O severo Ciclope, a quem ninguém ousou se aproximar impunemente, que desprezava os deuses do Olimpo, e você soprou amor nele! Arde da chama do amor Polifemo. Ele esqueceu suas ovelhas e suas cavernas. O ciclope selvagem até começou a cuidar de sua beleza. Ele penteia o cabelo desgrenhado com uma picareta e apara a barba desgrenhada com uma foice. Ele ainda não se tornou tão selvagem e sanguinário.

Nesse momento, o adivinho Telem navegou para as costas da Sicília. Ele previu Polifemo:

- Seu único olho, que está em sua testa, será arrancado pelo herói Odisseu.

Riu em resposta ao adivinho Polifemo e exclamou:

- O mais estúpido dos adivinhos, você mentiu! Outro já chamou minha atenção!

Longe no mar, uma colina rochosa se projetava, rompendo-se abruptamente com as ondas sempre barulhentas. Polifemo muitas vezes vinha com seu rebanho a esta colina. Ali sentou-se, pondo aos pés uma clava, que era do tamanho do mastro de um navio, tirou sua flauta feita de cem juncos e começou a soprar nela com toda a força. Os sons selvagens da flauta de Polifemo se espalhavam pelo mar, pelas montanhas e vales. Eles também chegaram a Akida e Galatea, que muitas vezes se sentavam em uma gruta fresca à beira-mar, não muito longe da colina. Polifemo tocava flauta e cantava. De repente, como um touro louco, ele pulou. Polifemo viu Galatea e Akis em uma gruta à beira-mar e gritou com uma voz tão estrondosa que um eco ecoou no Etna:

- Eu vejo você! Tudo bem, este será seu último encontro!

Galatea ficou assustada e correu para o mar. As ondas do mar nativas a protegeram de Polifemo. Horrorizado, Akid busca a salvação em fuga. Ele estende as mãos para o mar e exclama:

- Oh, me ajude, Galatea! Pais, salvem-me, protejam-me!

Ciclope ultrapassa Akida. Ele arrancou uma pedra inteira da montanha, acenou e jogou em Akida. Embora Polifemo tenha tocado o infeliz jovem apenas com a borda da rocha, ele foi completamente coberto com essa borda e esmagado. O sangue escarlate de Akida fluiu em um riacho debaixo da borda da rocha. A cor escarlate do sangue desaparece gradualmente, o fluxo fica cada vez mais claro. Agora já parece um rio, que foi enlameado por uma chuva tempestuosa. Tudo é mais leve e transparente. De repente, a rocha se partiu, esmagando Akida. O junco que ressoa na fenda ficou verde e um fluxo rápido e transparente flui dele. Um jovem de tez azulada, em uma coroa de juncos, apareceu do riacho. Era Akid - ele se tornou um deus do rio.