Русский English 中国 Português 日本語 Indonesia

Helenismo. Potências no Egito e na Síria

O Poder dos Ptolomeus.

O poder dos Ptolomeus cobriu o Egito e as regiões adjacentes a ele desde o sul (Núbia, atual Etiópia), a noroeste (Cirenaica, o território próximo ao Cirene grego, antiga Líbia), bem como o Sinai, Palestina, Fenícia, sul da Síria (Celesiria), regiões do sul e sudoeste da Ásia Menor.

O fundador do estado, também chamado de estado dos Lagids, foi o comandante de Alexander Ptolomeu Lag, cujo nome foi posteriormente atribuído a todas as dinastias subsequentes - Ptolomeu II, III, etc. Os Lagids controlavam parte do Mediterrâneo Oriental e a ilha de Chipre, realizando um comércio ativo nesta região. Os territórios egípcios e não egípcios diferiam muito, de modo que a política ptolomaica no Egito e fora dele não era a mesma. No Egito, foi preservado o sistema de nomes, que existia desde os tempos antigos, que os Ptolomeus não mudaram. Mas agora os nomos estavam divididos em unidades administrativas menores, e não era o nomarca que os governava, mas o estrategista. Um grande número de papiros helenísticos remonta a essa época, dos quais foram compilados arquivos inteiros, refletindo a história econômica do Egito. No território fora do norte da África, o autogoverno local foi preservado.

Em termos de estrutura, o poder dos Ptolomeus era uma combinação de diferentes sistemas estatais: por um lado, o despotismo oriental, por outro, o sistema polis. No território do Egito, além de Alexandria, havia mais duas grandes cidades gregas: Naucratis, que existia desde a era arcaica, e Ptolemais, fundada pelos Ptolomeus no sul. A história do estado de Lagid tornou-se a história da queda gradual do Egito de regiões não egípcias: no final do período helenístico, no século I aC. BC e., o poder cobria o território egípcio real, deixando de existir por 30 aC. e., tornando-se uma província romana. Formalmente, o 30º ano é considerado o fim do mundo helenístico.

O Estado dos Selêucidas.

O Império Selêucida foi a maior formação helenística. Seus contemporâneos o chamavam de Síria. Pelo nome do fundador do guarda-costas Alexandre Seleuco, todos os representantes da dinastia eram chamados de selêucidas. O estado incluía várias áreas: norte da Síria, Babilônia (mesopotâmia média), as partes central e sudoeste da Ásia Menor e os territórios orientais rapidamente caídos do Irã, Ásia Central e o reino greco-bactriano, até a Índia. A instabilidade da nova formação foi predeterminada pelo striping étnico. A divisão persa em satrapias chefiadas por estrategistas foi preservada no estado. As satrapias foram divididas em unidades administrativas menores. As cidades gregas desempenharam um papel importante como centros da helenização dos povos orientais. A capital do estado era Antioquia na Síria. Em termos de governança, o Estado, como o Egito, era uma combinação do sistema polis e do despotismo oriental. Em 63 aC. e. O estado selêucida tornou-se uma província romana.

Os Ptolomeus e Selêucidas ao longo do 3º c. BC e. lutou nas chamadas guerras sírias no sul da Síria e na Palestina. Além disso, os reis constantemente tiveram que lidar com rebeliões e revoltas nacionais. Em particular, na Judéia, que fazia parte do estado selêucida, surgiu o movimento macabeu (hasmoneu), descrito nos livros relevantes do Antigo Testamento. Durou de 167 a 142 e foi resultado da helenização forçada das áreas habitadas por judeus, já que a introdução dos cultos religiosos gregos causou forte oposição na Judéia. Os judeus, sob a liderança dos Macabeus, alcançaram a independência, que durou até a conquista da Judéia por Roma em 63 aC. e.