Русский English 中国 Português 日本語 Indonesia

Ulisses deixa a ilha da ninfa Calypso

Os deuses imortais decidiram em conselho que Atena deveria ajudar Telêmaco a retornar ileso à sua pátria e impedir que os pretendentes o ataquem. Hermes deve voar para a ilha de Ogygia e comandar a ninfa Calypso para liberar Odyssey. O Thunderer imediatamente enviou Hermes para Calypso.

Calçando suas sandálias aladas e pegando uma vara, rápido como o pensamento, Hermes saiu correndo do Olimpo. Como uma águia marinha, ele voou sobre o mar e em um piscar de olhos chegou a Ogígia. Essa ilha era maravilhosa. Sicômoros, choupos, pinheiros, cedros e ciprestes cresciam luxuriantes nele. Os gramados estavam cobertos com grama exuberante, e violetas e lírios exuberantes estavam perfumados na grama. Quatro nascentes irrigavam a ilha e, caprichosamente serpenteando entre as árvores, riachos corriam delas. Havia uma gruta fresca na ilha; a ninfa Calipso vivia nele. A gruta inteira estava coberta de trepadeiras, e cachos maduros pendiam delas. Quando Hermes entrou na gruta, Calipso estava sentado tecendo uma colcha com um padrão maravilhoso com uma lançadeira dourada. Ulisses não estava na gruta. Ele estava sentado sozinho em um penhasco perto da praia, seu olhar fixo na distância do mar. Ulisses derramou lágrimas, lembrando-se de sua nativa Ítaca. Então ele passou dias inteiros, triste e solitário.

Zeus envia Hermes para a ninfa Calypso
Zeus envia Hermes para a ninfa Calipso.
(Desenho em um vaso.)

Vendo Hermes entrar, Calipso levantou-se para encontrá-lo. Convidou-o a sentar-se e ofereceu-lhe ambrosia e néctar. Satisfeito com a comida dos deuses, Hermes transmitiu à ninfa a vontade do rei dos deuses e do povo Zeus. Calipso ficou triste quando soube que tinha que se separar de Odisseu. Ela queria mantê-lo para sempre em sua ilha e conceder-lhe a imortalidade. Mas ela não resistiu à vontade de Zeus.

Quando Hermes saiu de Calipso, ela foi até a praia, onde o triste Ulisses estava sentado, e disse a ele:

- Ulisses, seque os olhos, não sofra mais. Estou deixando você ir para casa. Vá pegar um machado, corte algumas árvores e faça uma jangada forte. Você irá em frente, e eu lhe enviarei um vento favorável. Se agradar aos deuses, você retornará à sua terra natal.

- Deusa, - respondeu Calipso Odisseu, - você não está me preparando para voltar à minha terra natal, mas outra coisa. Como posso atravessar um mar tempestuoso em uma jangada frágil? Afinal, um navio de alta velocidade nem sempre o atravessa com segurança. Não, deusa, só então ousarei embarcar na jangada se você me fizer um juramento inquebrável dos deuses de que não planeja me destruir.

- Dizem a verdade, Ulisses, que você é o mais inteligente e perspicaz dos mortais! - exclamou Calypso, - juro pelas águas Styx, não quero que você morra.

Retornou com Ulisses Calypso à gruta. Lá, durante a refeição, ela começou a persuadir Odisseu a ficar. Ela prometeu a imortalidade a Ulisses. Ela disse que se Odisseu soubesse quantos perigos ele teria que enfrentar durante a viagem, então ele teria ficado com ela. Mas o desejo de Ulisses de retornar à sua terra natal era muito forte, nenhuma promessa poderia fazer Calipso esquecer sua nativa Ítaca e sua família.

Na manhã seguinte, Odisseu começou a construir a jangada. Odisseu trabalhou durante quatro dias, derrubando árvores, cortando troncos, amarrando-os e derrubando-os com tábuas. Finalmente, a jangada estava pronta e o mastro com a vela foi fixado nela. Calipso deu a Ulisses suprimentos para a viagem e se despediu dele. Ulisses desfez a vela e a jangada, impelida por um bom vento, partiu para o mar.

Há dezoito dias Ulisses já navegou, determinando o caminho através das constelações - as Plêiades e a Ursa Maior. Finalmente a terra apareceu ao longe - era a ilha dos feácios. Neste momento, o deus Poseidon, retornando dos etíopes, viu a jangada de Ulisses. O senhor dos mares estava zangado. Ele pegou seu tridente e atingiu o mar com ele. Surgiu uma terrível tempestade. As nuvens cobriam o céu, os ventos do mar, voando de todos os lados. Ulisses ficou horrorizado. Com medo, ele inveja até os heróis que morreram com glória perto de Tróia. Uma onda enorme atingiu a jangada de Ulisses e o arrastou para o mar. Ulisses mergulhou nas profundezas do mar, ele nadou à força. Ele ficou perturbado com as roupas dadas na despedida pela ninfa Calipso. No entanto, ele ultrapassou sua jangada, agarrou-a e com grande dificuldade subiu no convés. Os ventos estavam jogando a jangada violentamente em todas as direções. O feroz Boreyo o levou, depois Não, depois o barulhento Evr, e, depois de jogar, jogou Zephyra. Ondas empilhadas ao redor da jangada como montanhas.

Boreas é o vento norte, Notus é o vento sul, Eurus é o vento leste, Zephyr é o vento oeste.

A deusa do mar Levkoteya viu Ulisses em tal perigo. Ela decolou disfarçada de um mergulho do mar, sentou-se na jangada de Ulisses e assumiu sua imagem real. Virando-se para ele, Levkothea ordenou que tirasse a roupa, se jogasse da jangada no mar e nadasse até a praia. A deusa deu a Ulisses um véu maravilhoso que deveria salvá-lo. Dito isso, ela assumiu a forma de uma mergulhadora Leukothea e voou para longe. No entanto, Ulisses não se atreveu a deixar a jangada. Mas então o deus Poseidon ergueu um lobo enorme, como uma montanha, e o derrubou na jangada de Odisseu. Como uma rajada de vento sopra um monte de palha em todas as direções, uma onda varreu os troncos de uma jangada. Ulisses mal teve tempo de pegar um dos troncos e sentar-se nele. Ele rapidamente rasgou suas roupas, amarrou-se com o véu de Leucothea, jogou-se no mar e nadou até a ilha. Poseidon viu isso e exclamou:

- Bem, chega de você agora! Agora nade no mar agitado até que alguém o resgate. Você ficará satisfeito comigo agora!

Tão exclamando, Poseidon levou seus cavalos para seu palácio subaquático. Palas Atena veio em auxílio de Ulisses. Ela proibiu todos os ventos, exceto Bóreas, e começou a acalmar o mar revolto.

Durante dois dias, Odisseu correu pelo mar tempestuoso. Só no terceiro dia o mar se acalmou. Do alto da onda, Ulisses viu terra próxima e ficou muito feliz. Mas quando já estava nadando até a praia, ouviu o som das ondas. As ondas rugiam entre as falésias costeiras e as rochas submarinas. A morte de Ulisses teria sido inevitável, ele teria sido esmagado contra as rochas, mas mesmo assim Palas Atena o ajudou. Ulisses conseguiu agarrar-se à rocha, e a onda, recuando, arrancou-o da rocha com força e o carregou para o mar. Agora Odisseu nadou ao longo da costa e começou a procurar um lugar onde pudesse nadar em terra. Finalmente, ele viu a foz do rio. Ulisses orou ao deus do rio por ajuda. Deus o ouviu, interrompeu seu curso e ajudou Ulisses a chegar à praia. Um poderoso herói desembarcou, mas uma longa viagem o enfraqueceu tanto que ele caiu inconsciente no chão. Ulisses caiu em si. Ele tirou o véu de Leucothea e, sem se virar, jogou-o na água. O véu flutuou rapidamente e voltou para as mãos da deusa. Ulisses, por outro lado, encontrou duas oliveiras densamente cobertas de vegetação, sob as quais havia uma pilha de folhas secas. Ele se enterrou nas folhas para se proteger do frio da noite, e a deusa Atena o mergulhou em um sono profundo.