Русский English 中国 Português 日本語 Indonesia

Cadmus

Quando Zeus disfarçado de touro roubou a Europa, seu pai, o rei, ficou triste Sidon, Agenor. Nada poderia consolá-lo. Ele ligou para seus três filhos - Foyniks, Kiliks e Cadmus - e mandou-os procurar a Europa. Ele proibiu seus filhos, sob pena de morte, de voltar para casa sem uma irmã. Os filhos de Agenor foram em busca. Phoinix e Kylix logo deixaram Cadmus. Eles fundaram dois reinos: Foynix - Phoenicia e Kylix é Cilícia e permaneceu neles.

Cadmus lutando contra a serpente
Cadmus lutando contra a serpente.
Da esquerda para a direita: o deus Poseidon com um tridente, Harmony, esposa de Cadmus,
próximo - Cadmus com uma espada, acima dele está a deusa Vitória, na frente de Cadmus - a deusa Atena,< br /> atrás dela - a deusa Demeter e sua filha Kore (Perséfone),
sob Demeter - a ninfa Tebas, aos pés da ninfa - o deus Eros com uma coroa de flores.
(Desenhando em um vaso)

Cadmus foi sozinho procurar sua irmã. Por muito tempo ele vagou pelo mundo, em todos os lugares ele perguntou sobre a Europa. Como ele poderia encontrar sua irmã, já que o próprio Zeus a escondeu de todos! Finalmente, tendo perdido a esperança de encontrar sua irmã e temendo voltar para casa, Cadmus decidiu ficar para sempre em uma terra estrangeira. Ele foi ao sagrado Delfos e perguntou ao oráculo do arqueiro Apollo, em que país ele deveria se estabelecer e fundar uma cidade. Foi assim que o oráculo de Apolo respondeu a Cadmo:

- Em uma clareira isolada você verá uma vaca que nunca conheceu um jugo. Siga-a e onde ela se deita na grama, levante os muros da cidade e chame o país de Beócia.

Tendo recebido tal resposta, Cadmus deixou o sagrado Delfos. Assim que ele saiu do portão, ele viu uma vaca branca como a neve que estava pastando, desprotegida por ninguém, em uma clareira. Cadmo a seguiu com seus fiéis servos sidônios, elogiando o grande Apolo. Ele já passou pelo vale Kefisa, de repente a vaca parou, levantou a cabeça para o céu, mugiu alto, olhou para os soldados que a seguiam e calmamente deitou-se na grama verde. Cheio de gratidão a Apolo, Cadmus se ajoelhou, beijou a terra de sua nova pátria e pediu a bênção dos deuses em montanhas e vales desconhecidos. Cadmus imediatamente construiu um altar de pedras para sacrificar ao auspicioso Zeus, mas como ele não tinha água para o sacrifício, ele enviou seus fiéis sidônios para buscar água.

Não muito longe havia um bosque centenário que nunca havia sido tocado pelo machado de um lenhador antes. No meio desse arvoredo havia uma gruta profunda, toda coberta de arbustos, em torno da qual grandes pedras se amontoavam em desordem. Desta gruta fluía, murmurando entre as pedras, uma fonte de água cristalina. Na gruta vivia uma enorme serpente dedicada ao deus da guerra Ares. Seus olhos brilhavam com fogo, um triplo ferrão se projetava de sua boca, sentado com uma tripla fileira de dentes venenosos, um pente de ouro balançava ameaçadoramente na cabeça da serpente. Quando os servos de Cadmo se aproximaram da fonte e já mergulharam as vasilhas em sua água gelada, ele se arrastou para fora da gruta com um silvo ameaçador de cobras, contorcendo-se entre as pedras com seu corpo enorme. Os servos de Cadmus ficaram pálidos de medo, os vasos caíram de suas mãos, o horror arrepiante acorrentou seus membros. Suba na cauda das cobras; acima das árvores seculares da floresta, a cabeça com a boca aberta. Antes que qualquer um dos sidônios pudesse pensar em fuga ou proteção, uma terrível serpente avançou sobre eles. Os servos de Cadmus morreram.

Cadmus esperou muito tempo para que os servos voltassem. O sol já começava a se inclinar para o oeste, as sombras na terra se alongavam, mas ainda não havia servos. O filho de Agenor se maravilha, onde seus sidônios desapareceram, por que eles estão demorando. Finalmente, ele seguiu seus passos no bosque, cobrindo-se, como uma concha, com uma pele de leão, cingido com uma espada afiada e com uma lança nas mãos, e sua coragem serviu como uma proteção ainda mais confiável para o herói. Cadmo entrou no bosque e viu ali os corpos dilacerados de seus fiéis servos, uma enorme cobra jazia sobre seus corpos. Cadmus exclamou com tristeza e raiva:

- Ó servos fiéis, eu serei seu vingador! Ou eu vou vingar você, ou vou descer com você para o reino sombrio das sombras!

Cadmus pegou uma pedra do tamanho de uma pedra e, balançando, atirou-a na cobra. Com o impacto dessa pedra, a torre da fortaleza teria tombado, mas a serpente permaneceu ilesa - estava protegida por escamas, duras como aço, cobrindo todo o seu corpo. Então o filho de Agenor sacudiu sua lança e, reunindo todas as suas forças, cravou-a nas costas do monstro. Da lança de Cadmus, a cobra não protegeu suas escamas de aço. Até o poço, uma lança perfurou o corpo de uma cobra. Contorcendo-se, agarrou a lança com os dentes e quis arrancá-la da ferida. Em vão foram seus esforços; a ponta da lança permaneceu profundamente na ferida, apenas a haste foi quebrada pela serpente de Ares. O pescoço da serpente inchou de veneno negro e raiva, espuma jorrou de sua boca, um assobio feroz se espalhou por todo o país, todo o ar estava cheio do fedor de sua respiração. Ou a cobra se contorce em enormes anéis no chão, então, girando descontroladamente, ela sobe alto. Ele derruba árvores, arrancando-as, e espalha enormes pedras em todas as direções com o rabo. Ele quer agarrar Cadmus com sua boca venenosa, mas, escondendo-se atrás da pele de um leão como um escudo, o herói repele a cobra com sua espada. Uma espada afiada morde a cobra com os dentes, mas apenas corta os dentes contra o aço.

Finalmente, com um golpe poderoso, o filho de Agenor perfurou o pescoço da serpente e o pregou no carvalho, tão forte foi o golpe do poderoso herói.

O carvalho centenário se curvou sob o peso do corpo do monstro. Com espanto, Cadmus olha para a serpente que ele matou, maravilhado com seu tamanho. De repente, uma voz desconhecida foi ouvida:

- Por que você fica, filho de Agenor, e se maravilha com a serpente que você matou? Em breve as pessoas vão se maravilhar com você, transformada em cobra.

Cadmus olha ao redor, ele não sabe de onde veio a voz misteriosa. O herói estremeceu de horror ao ouvir tal predição; o cabelo ficou em pé em sua cabeça. Quase perdendo a consciência, ele fica na frente da cobra morta. Então a filha amada de Zeus Athena-Pallas apareceu para Cadmus. Ela lhe disse para arrancar os dentes da cobra e semeá-los como sementes em um campo arado.

Cadmus fez o que a deusa guerreira de olhos de coruja lhe disse para fazer. Assim que ele semeou os dentes da serpente, quando - eis! - pontas de lança apareceram pela primeira vez do chão; então as cristas dos elmos se ergueram sobre a terra arável, então as cabeças dos guerreiros, seus ombros, seus peitos cobertos de conchas, seus braços com escudos, finalmente um destacamento inteiro de guerreiros armados brotou dos dentes do dragão. Vendo um novo inimigo desconhecido, Cadmus pegou sua espada, mas um dos guerreiros nascidos da terra exclamou:

- Não pegue a espada! Cuidado com as lutas internas!

Uma terrível e sangrenta batalha começou entre os guerreiros. Eles mataram uns aos outros com espadas e lanças e caíram um a um no chão que acabara de dar à luz a eles. Restavam apenas cinco deles. Então um deles, por ordem de Palas Atena, jogou sua arma no chão em sinal de paz. Os soldados estabeleceram uma estreita amizade fraternal. Esses guerreiros, nascidos da terra dos dentes de um dragão, foram os assistentes de Cadmo quando ele estava construindo Cadmeia, a fortaleza dos sete portões de Tebas.

Cadmo fundou a grande cidade de Tebas, deu leis aos cidadãos e organizou todo o estado. Os deuses do Olimpo se casaram com Cadmus, a bela filha de Ares e Afrodite, Harmonia. A festa de casamento do grande fundador de Tebas foi magnífica. Todos os atletas olímpicos se reuniram para este casamento e apresentaram ricamente os recém-casados.

Desde então, Cadmus se tornou um dos reis mais poderosos da Grécia. Sua riqueza era incalculável. Numeroso e invencível era seu exército, à frente do qual havia guerreiros nascidos da terra dos dentes de uma serpente. Parece que a alegria e a felicidade eterna deveriam reinar na casa do filho de Agenor, mas os olimpianos enviaram mais de uma felicidade a ele. Ele teve que passar por muita dor. Suas filhas, Semela e Ino, morreram na frente de seu pai. É verdade que, após a morte, eles foram aceitos no exército dos deuses do Olimpo, mas ainda assim Cadmo perdeu suas filhas queridas. Acteon, neto de Cadmus, filho de sua filha Autonoi, foi vítima do ira de Ártemis. Cadmus também teve que chorar seus netos.

Na velhice, abatido por uma grande dor, Cadmo deixou os sete portões de Tebas. Com sua esposa Harmony, ele vagou por muito tempo em uma terra estrangeira e finalmente chegou a um distante Ilíria. Com dor no coração, Cadmus lembrou-se de todos os infortúnios que se abateram sobre sua casa , ele se lembrou de sua luta com a cobra e daquelas palavras que uma voz desconhecida pronunciou.

- Não era aquela serpente, - disse Cadmus, - que derrubei com minha espada, dedicada aos deuses? Se os deuses me punissem com tanta força por sua morte, seria melhor eu me transformar em uma cobra.

Assim que Cadmus disse isso, seu corpo se esticou e coberto de escamas, suas pernas cresceram juntas e se tornaram uma longa cauda de cobra se contorcendo. Horrorizado, ele se estende com lágrimas nos olhos para Harmonia mãos ainda preservadas e a chama:

- Oh, venha até mim, Harmony! Toque-me, toque minha mão antes que eu me transforme em uma cobra!

Ele liga para Harmony, ele ainda quer contar muito a ela, mas sua língua se divide em duas, e a picada da cobra já vibra em sua boca, e apenas um silvo sai de sua boca. Harmony corre em direção a ele:

- Ah, Cadmo! ela exclama. - Livre-se dessa imagem o mais rápido possível! Oh, deuses, por que você não me transformou em uma cobra também!

Cadmus, transformado em uma enorme serpente, enrolado em sua fiel esposa, ele lambe o rosto dela com seu ferrão bifurcado. Infelizmente, Harmony acaricia as costas escamosas da serpente. E os deuses transformaram Harmonia em cobra, e agora duas cobras - Harmonia e Cadmo.

Cadmus e sua esposa terminaram suas vidas disfarçados de cobras.