Русский English 中国 Português 日本語 Indonesia

Morte de Orfeu

Quatro anos se passaram desde a morte de Eurídice, mas ele permaneceu fiel a ela Orfeu a>. Ele não queria se casar com nenhuma mulher da Trácia. Certa vez, no início da primavera, quando a primeira folhagem estava rompendo as árvores, o grande cantor estava sentado em uma colina baixa. A seus pés estava sua cítara dourada. O cantor pegou, tocou suavemente as cordas e cantou. Toda a natureza escutou o canto maravilhoso. Tal poder ressoou na canção de Orfeu, conquistou e atraiu tanto o cantor que os animais selvagens se aglomeraram ao seu redor, como que encantados, deixando as florestas e montanhas circundantes. Pássaros se aglomeravam para ouvir o cantor. Até as árvores se moviam e cercavam Orfeu; carvalhos e choupos, ciprestes delgados e plátanos de folhas largas, pinheiros e abetos aglomeravam-se ao redor e ouviam o cantor; nem um único galho, nem uma única folha tremeu sobre eles. Toda a natureza parecia encantada pelo maravilhoso canto e sons da cítara de Orfeu. De repente, ouviram-se gritos altos ao longe, o retinir de tímpanos e risos. Eram as mulheres kikonianas que celebravam o festival de Dioniso. As bacantes estão se aproximando, viram Orfeu, e uma delas exclamou bem alto:

- Aqui está ele, um odiador de mulheres!

Bacha mata Orfeu
As Bacantes matam Orfeu.
(Desenho de vaso)

As bacantes agitaram o tirso e o jogaram em Orfeu. Mas a hera enrolada no tirso protegia o cantor. Outra bacante jogou uma pedra em Orfeu, mas a pedra, vencida por um canto encantador, caiu aos pés de Orfeu, como se implorasse por perdão. Os gritos das bacantes soavam cada vez mais altos ao redor do cantor, as canções soavam mais altas e os tímpanos ressoavam mais alto. O barulho da festa de Dionísio abafou o cantor. Bacantes cercaram Orfeu, voando para ele como um bando de aves de rapina. Thirsas e pedras voaram como granizo para o cantor. Em vão Orfeu reza por misericórdia, mas as bacantes furiosas não lhe atendem, cuja voz obedeceu às árvores e rochas. Coberto de sangue, Orfeu caiu no chão, sua alma voou e as bacantes rasgaram seu corpo com as mãos ensanguentadas. A cabeça de Orfeu e sua cítara foram lançadas pelas Bacantes nas águas velozes do rio Gebra. E - oh, milagre! - cordas de cítara, levadas pelas ondas do rio, soam baixinho como se estivessem lamentando a morte do cantor, e a praia lhes responde com tristeza. Toda a natureza lamentou Orfeu: as árvores e as flores choraram, os animais e os pássaros choraram, e até as rochas mudas choraram, e os rios se tornaram cheios de água das lágrimas que derramaram Ninfas e dríades em sinal de tristeza abaixam os cabelos e vestem roupas escuras Cada vez mais longe Gebr levava a cabeça e a cítara do cantor para o mar largo e as ondas do mar trouxe a cítara para as margens Lesvos. Desde então, os sons de canções maravilhosas foram ouvidos em Lesbos. Os deuses colocaram a cítara dourada de Orfeu no céu entre constelações.

A alma de Orfeu desceu ao reino das sombras e novamente viu os lugares onde Orfeu procurava sua Eurídice. O grande cantor reencontrou a sombra de Eurídice e a abraçou com amor em seus braços. Desde então, eles poderiam ser inseparáveis. As sombras de Orfeu e Eurídice vagam pelos campos sombrios cobertos de asfódelos. Agora Orfeu pode se virar sem medo para ver se Eurídice o está seguindo.