Русский English 中国 Português 日本語 Indonesia

A morte de Hércules e sua aceitação no anfitrião dos deuses do Olimpo

Quando Hercules foi vendido como escravo Omphale, Deyanira teve de deixar Tiryns com os filhos. A esposa de Hércules recebeu abrigo do rei da cidade tessália de Trakhina Keik. Três anos e três meses se passaram desde que Hércules deixou Dejanira. A esposa de Hércules estava preocupada com o destino de seu marido. Não havia notícias de Hércules. Dejanira nem sabia se o marido ainda estava vivo. Fortes pressentimentos atormentavam Dejanira. Ela ligou para o filho Gill e disse a ele:

- Ah, meu filho amado! É uma pena que você não procure pelo seu pai. Faz quinze meses desde que ele ficou em silêncio.

- Se você acredita nos rumores, - Gill respondeu a sua mãe, - então eles dizem que depois de três anos seu pai tinha sido escravo de Omphala, quando seu período de escravidão terminou, ele foi com um exército para a Eubéia para a cidade de Oichalia para se vingar Evrit por insultar o rei.

- Meu filho! - interrompeu a mãe de Gill, - seu pai Hércules nunca me deixou antes, partindo para grandes feitos, com tanta ansiedade como da última vez. Mesmo quando ele se despediu, ele me deixou um tablet com a antiga previsão escrita nele, dado a ele em Dodone. Diz-se que se Hércules permanecer em uma terra estrangeira por três anos e três meses, ou a morte se abateu sobre ele, ou, voltando para casa, ele levará uma vida alegre e tranquila. Deixando-me, Hércules me deixou e a ordem de que das terras de seus pais, no caso de sua morte, seus filhos deveriam herdar. Estou preocupado com o destino do meu marido. Afinal, ele me contou sobre o cerco de Oichaliya, que ele morreria sob a cidade ou, tendo-a tomado, viveria feliz. Não, meu filho, vá , eu lhe peço, procure seu pai.

Gil, obediente à vontade de sua mãe, partiu em uma longa jornada para Eubeia, para Oichalia, em busca de seu pai.

Algum tempo depois que Gill deixou Trakhina, um mensageiro vem correndo para Dejanira. Ele a informa que um embaixador Lichas está vindo de Hércules. Boas notícias trarão Lichas. Hércules está vivo. Ele derrotou Eurytus, tomou e destruiu a cidade de Oichalia, e em breve retornará a Trakhina na glória da vitória. Seguindo o mensageiro vem Dejanira e Lichas. Ele lidera os prisioneiros, entre eles Iole, filha de Evrit. Alegremente conhece Deianir Lichas. O embaixador de Hércules diz a ela que Hércules ainda é forte e saudável. Ele está prestes a comemorar sua vitória e se prepara para fazer ricos sacrifícios antes de deixar a Eubéia. Dejanira olha para os prisioneiros; notando uma bela mulher entre eles, ele pergunta a Lichasa:

- Diga-me, Lichas, quem é essa mulher? Quem é o pai e a mãe dela? Ela é a que mais sofre. Não é esta a filha do próprio Eurytus?

Mas Lichas responde a esposa de Hércules:

- Eu não sei, rainha, quem ela é. Provavelmente, esta mulher pertence a uma família nobre da Eubéia. Ela não disse uma palavra no caminho. Ela vem derramando lágrimas de tristeza desde que deixou sua cidade natal.

- Infeliz! - exclamou Dejanira, - a esta dor não lhe acrescentarei novo sofrimento! Leve, Lichas, ao palácio dos prisioneiros, eu irei atrás de você!

Lichas partiu com os prisioneiros para o palácio. Assim que ele saiu, um criado se aproximou de Dejanira e disse a ela:

- Espere, rainha, me escute. Lichas não lhe contou toda a verdade. Ele sabe quem é essa mulher; Esta é a filha de Evrit, Iola. Por amor a ela, Hércules uma vez competiu com Eurytus no tiro com arco. O rei orgulhoso não deu a ele, o vencedor, sua filha como esposa, como havia prometido - insultando-o, ele expulsou o grande herói da cidade. Por causa de Iola, Hércules agora tomou Oichalia e matou o rei Eurytus. Não como escravo, o filho de Zeus enviou Iola aqui - ele quer tomá-la como esposa.

Dejanira ficou triste. Ela repreende Lichas por esconder a verdade dela. Lichas confessa que Hércules, cativado pela beleza de Iola, quer muito se casar com ela. Dejanira está de luto. Hércules a esqueceu durante uma longa separação. Agora ele ama outra pessoa. O que ela deveria fazer, infeliz? Ela ama o grande filho de Zeus e não pode dá-lo a outro. O coração partido Dejanira lembra o sangue que o centauro Ness lhe deu uma vez, e o que ele disse a ela antes de sua morte. Dejanira decide recorrer ao sangue de um centauro. Afinal, ele disse a ela: "Esfregue as roupas de Hércules com meu sangue, e ele te amará para sempre, nenhuma mulher será mais querida para ele do que você". Ela tem medo de recorrer a Dejanira para um remédio mágico, mas seu amor por Hércules e o medo de perdê-lo finalmente superam seus medos. Ela tira o sangue de Nessus, que ela guardou em um vaso por tanto tempo, para que um raio de sol não caia sobre ela, para que o fogo da lareira não a aqueça. Dejanira esfrega seu manto luxuoso, que teceu como presente para Hércules, coloca-o em uma caixa bem fechada, chama Lichas e diz a ele:

- Depressa, Lichas, para Eubeia e leve esta caixa para Hércules. Tem um manto nele. Que Hércules coloque este manto quando fizer um sacrifício a Zeus. Diga-lhe que nenhum mortal deve vestir este manto, exceto ele, para que mesmo o raio do brilhante Hélios não toque o manto antes que ele o coloque. Depressa, Lichas!

Lichas saiu, com um manto. Após sua partida, Dejanira foi tomada de ansiedade. Ela foi ao palácio e, para seu horror, viu que a lã com que ela esfregava seu manto com o sangue de Ness havia se deteriorado. Dejanira jogou essa lã no chão. Um raio de sol caiu sobre a lã e aqueceu o sangue do centauro, envenenado pelo veneno da hidra de Lernean. Junto com o sangue, o veneno da hidra aqueceu e transformou a lã em cinzas, e uma espuma venenosa apareceu no chão onde a lã estava. Dejanira ficou horrorizada; ela tem medo de que Hércules morra, vestindo um manto envenenado. A esposa de Hércules é atormentada cada vez mais por uma premonição de problemas irreparáveis.

Passou-se algum tempo desde que Lichas partiu para Eubéia com o manto envenenado. Gill, que voltou para Trakhina, entra no palácio. Ele está pálido, seus olhos estão cheios de lágrimas. Olhando para sua mãe, ele exclama:

- Ah, como eu gostaria de ver um dos três: ou que você não estava vivo, ou que outro te chamou de mãe, e não eu, ou que você teve uma mente melhor do que agora! Saiba que você matou seu próprio marido, meu pai!

- Ai! Dejanira exclamou horrorizada. O que você está dizendo, meu filho? Qual pessoa te disse isso? Como você pode me acusar de tal atrocidade!

- Eu mesmo vi o sofrimento do meu pai, não aprendi isso com as pessoas!

Gill conta a sua mãe o que aconteceu no monte Caneion, perto da cidade de Oichalia: Hércules, tendo erguido um altar, já estava se preparando para oferecer sacrifícios aos deuses, e principalmente a seu pai Zeus, quando Lichas veio com um manto . O filho de Zeus vestiu um manto - presente de sua esposa - e procedeu ao sacrifício. Primeiro, ele sacrificou doze touros selecionados a Zeus, no total, o herói abateu cem sacrifícios aos deuses do Olimpo. As chamas brilhavam intensamente nos altares. Hércules levantou-se, erguendo reverentemente as mãos para o céu, e invocou os deuses. O fogo, ardendo nos altares, aqueceu o corpo de Hércules, e o suor brotou no corpo. De repente, um manto envenenado grudou no corpo do herói. Convulsões percorreram o corpo de Hércules. Ele sentiu uma dor terrível. Sofrendo terrivelmente, o herói chamou Lichas e perguntou por que ele trouxe este manto. O que o inocente Lichas poderia responder a ele? Só podia dizer que Dejanira o mandara com a capa. Hércules, não percebendo nada da dor terrível, agarrou Lichas pela perna e o acertou contra uma pedra, em torno da qual as ondas do mar farfalharam. Lichas caiu até a morte. Hércules caiu no chão. Ele lutou em uma agonia indescritível. Seu grito chegou longe através da Eubéia. Hércules amaldiçoou seu casamento com Dejanira. O grande herói chamou seu filho e com um gemido pesado disse a ele:

- Oh, meu filho, não me deixe na desgraça - mesmo que a morte o ameace, não me deixe! Levante-me! Tire-me daqui! Leve-me para onde nenhum mortal possa me ver. Ah, se você sente compaixão por mim, não me deixe morrer aqui!

Eles levantaram Heracles, colocaram-no em uma maca, levaram-no para o navio para transportá-lo para Trakhina. Foi o que Gill disse à mãe e encerrou a história com estas palavras:

- Agora todos vocês verão aqui o grande filho de Zeus, talvez ainda vivo, ou talvez já morto. Oh, deixe o cruel Erinii e o vingador Dike puni-lo! Você matou o melhor homem que a terra já teve! Você nunca verá um herói assim!

Silenciosamente, ela partiu para o palácio de Dejanira sem dizer uma única palavra. Lá, no palácio, ela pegou uma faca de dois gumes. A velha babá viu Dejanira. Ela chama bastante Gill. Gill corre para sua mãe, mas ela já perfurou seu peito com uma espada. Com um grande grito, o filho infeliz correu para sua mãe, ele a abraça e cobre seu corpo frio de beijos.

Neste momento, o moribundo Hércules é trazido ao palácio. Ele adormeceu no caminho, mas quando a maca foi baixada ao chão na entrada do palácio, Hércules acordou. O grande herói estava inconsciente da terrível dor.

- Ah, grande Zeus! ele exclama: “em que país estou?” Oh, onde estão vocês, homens da Grécia? Ajude-me! Por amor de vocês, limpei a terra e o mar dos monstros e do mal, mas agora nenhum de vocês quer me salvar do sofrimento severo com fogo ou uma espada afiada! Oh, você, irmão de Zeus, o grande Hades, me faça dormir, me faça dormir, o infeliz, me faça dormir com um jejum -morte voadora!

Nika, a deusa da vitória, sobe em uma carruagem
Nika, a deusa da vitória, carrega Hércules do fogo ao Olimpo em uma carruagem
puxada por quatro cavalos.
(Ilustração em um vaso.)

- Pai, me escute, eu te imploro, - Gill pergunta com lágrimas, - mãe cometeu esta atrocidade sem querer. Por que você quer vingança? Ao saber que ela mesma é a causa de sua morte, ela perfurou o coração com o fio da espada!

- Oh, deuses, ela morreu, e eu não pude me vingar dela! A insidiosa Dejanira não morreu na minha mão!

- Pai, não é culpa dela! diz Gil. - Vendo Iola, filha de Evrit, em sua casa, minha mãe quis retribuir seu amor por um meio mágico. Ela esfregou seu manto com o sangue do centauro Nessus, morto por sua flecha, sem saber que esse sangue estava envenenado pelo veneno da hidra de Lernean.

- Oh, ai, ai! exclama Hércules. - Então foi assim que a previsão do meu pai Zeus se concretizou! Ele me disse que eu não morreria pelas mãos dos vivos, que eu estava destinado a morrer pelas maquinações de Hades que desceu ao reino das trevas. Foi assim que Nessus, que foi morto por mim, me arruinou! Então este é o tipo de paz que o oráculo de Dodona me prometeu - a paz da morte! Sim, é verdade - os mortos não se preocupam! Cumpra minha última vontade, Gill! Leve-me com meus verdadeiros amigos para o alto Oetu, coloque uma pira funerária em cima dela, coloque-me na pira e ateie fogo. Faça isso rapidamente, pare meu sofrimento!

- Oh, tenha pena, pai, você está realmente me forçando a ser seu assassino! Gill implora ao pai.

- Não, você não será um assassino, mas um curador do meu sofrimento! Eu ainda tenho um desejo, faça-o se tornar realidade! Hércules pergunta ao filho. - Casar com a filha de Evrit, Iola.

Mas Gill se recusa a atender o pedido de seu pai e diz:

- Não, pai, não posso me casar com o responsável pela morte de minha mãe!

- Oh, submeta-se à minha vontade, Gill! Não cause em mim novamente o sofrimento diminuído! Deixe-me morrer em paz! Hércules reza persistentemente para seu filho.

Gil resignou-se e obedientemente responde ao pai:

- Tudo bem, pai. Serei submisso ao seu testamento moribundo.

Hércules apressa seu filho, pede para atender seu último pedido o mais rápido possível.

- Depressa, meu filho! Apresse-se para me colocar no fogo antes que esses tormentos insuportáveis ​​comecem novamente! Me carregue! Adeus, Gil!

Os amigos de Hércules e Gill levantaram a liteira e levaram Hércules para o alto Oeta. Lá eles fizeram uma grande fogueira e nela colocaram o maior dos heróis. O sofrimento de Hércules está se tornando mais forte, o veneno da hidra de Lernean penetra mais profundamente em seu corpo. Hércules arranca o manto envenenado de si mesmo, ele gruda firmemente no corpo; junto com o manto, Hércules arranca pedaços de pele e tormentos terríveis tornam-se ainda mais insuportáveis. A única salvação desses tormentos sobre-humanos é a morte. É mais fácil morrer nas chamas de um incêndio, é impossível suportá-las, mas nenhum dos amigos do herói se atreve a acender uma fogueira. Finalmente, Filoctetes chegou a Oeta, Hércules o convenceu a atear fogo a uma fogueira e, como recompensa por isso, presenteou-o com seu arco e flechas, envenenados pelo veneno da hidra. Filoctetes ateou fogo ao fogo, a chama do fogo brilhou forte, mas o relâmpago de Zeus brilhou ainda mais. O trovão rolou pelo céu. Nika com Hermes foram levados ao fogo em uma carruagem dourada e levantaram o maior dos heróis de Hércules. Lá ele foi recebido pelos grandes deuses. Hércules tornou-se o deus imortal. A própria Hera, esquecendo seu ódio, deu a Hércules sua filha, a eternamente jovem deusa Hebe como esposa a>. Desde então, Hércules vive no brilhante Olimpo na hoste dos grandes deuses imortais. Esta foi sua recompensa por todos os seus grandes feitos na terra, por todo o seu grande sofrimento.