Русский English 中国 Português 日本語 Indonesia

O Rapto de Perséfone por Hades

Poderosa é a grande deusa Demeter. Ela dá fertilidade à terra e, sem seu poder benéfico, nada cresce nem nas florestas sombrias, nem nos prados, nem nas ricas terras aráveis.

Demeter - deusa da fertilidade e da agricultura
Deméter, deusa da fertilidade e da agricultura

A grande deusa Deméter tinha uma linda filha Persefona. O pai de Perséfone era o grande filho do próprio Cron, o Thunderer Zeus. Um dia, a bela Perséfone, junto com seus amigos, os Oceanids, brincavam descuidadamente no florescente Vale Nisean. Como uma borboleta de asas leves, a jovem filha de Deméter fugiu de flor em flor. Ela vomitou rosas exuberantes, violetas perfumadas, lírios brancos como a neve e jacintos vermelhos. Perséfone brincava descuidadamente, sem saber o destino que seu pai Zeus lhe havia atribuído. Perséfone não achava que não veria em breve a luz clara de o sol novamente, não iria logo admirar as flores e inalá-las Zeus a deu como esposa para seu irmão sombrio Hades, o governante do reino das sombras dos mortos, e Perséfone viveria com ele na escuridão do submundo, privado da luz e do sol quente do sul.

Demetra
Demeter

Hades viu Perséfone se divertindo no Vale Nisean e decidiu sequestrá-la imediatamente. Ele implorou à deusa da Terra, Gaia, para cultivar uma flor de beleza incomum. A deusa Gaia concordou, e uma flor maravilhosa cresceu no vale Nisei; seu aroma inebriante se espalhou por toda parte em todas as direções. Perséfone viu uma flor; agora ela estendeu a mão e agarrou-o pelo caule, agora a flor já foi colhida. De repente a terra se abriu, e em cavalos negros apareceram da terra em uma carruagem de ouro, o senhor do reino das sombras dos mortos, sombrio Hades. Ele agarrou a jovem Perséfone, levantou-a em sua carruagem e, em um piscar de olhos, desapareceu em seus cavalos velozes nas entranhas da terra. Apenas Perséfone conseguiu gritar. Longe estava o grito de terror da jovem filha de Deméter; ele alcançou as profundezas do mar e o alto e brilhante Olimpo. Ninguém viu como o sombrio Hades sequestrou Perséfone, apenas seu deus viu Hélio-Sol.

A deusa Deméter ouviu o grito de Perséfone. Ela correu para o Vale Nisei, procurando por toda parte sua filha; ela perguntou a seus amigos, o Oceanid, mas ela não estava em lugar algum. Os oceânicos não viram onde Perséfone havia desaparecido.

Grave tristeza pela perda de sua única filha amada tomou conta do coração de Deméter. Vestida com roupas escuras, durante nove dias, sem saber de nada, sem pensar em nada, a grande deusa Deméter vagou pela terra, derramando lágrimas amargas. Ela procurou Perséfone em todos os lugares, pediu ajuda a todos, mas ninguém pôde ajudá-la em sua dor. Finalmente, já no décimo dia, ela veio ao deus Hélios, o Sol, e começou a rezar para ele com lágrimas:

- Oh, radiante Hélio! Você monta em uma carruagem dourada no alto do céu toda a terra e todos os mares, você vê tudo, nada pode esconder de você; se você tem alguma pena da mãe infeliz, então me diga onde está minha filha Perséfone, me diga onde procurá-la! Eu a ouvi gritar, ela foi roubada de mim. Diga-me quem a sequestrou. Procurei em todos os lugares, mas não consigo encontrá-lo em nenhum lugar!

O radiante Hélio respondeu a Deméter:

- Grande deusa, você sabe como eu te honro, você vê como eu sofro, vendo sua dor. Saiba que o grande criador de nuvens Zeus deu sua filha como esposa para seu irmão sombrio, Lord Hades. Ele sequestrou Perséfone e a levou para seu reino cheio de horrores. Conquiste sua pesada tristeza, deusa; porque o marido de sua filha é ótimo, ela se tornou a esposa do poderoso irmão do grande Zeus.

A deusa Deméter ficou ainda mais triste. Ela estava zangada com o Thunderer Zeus porque ele deu Perséfone como sua esposa a Hades sem o consentimento dela. Ela deixou os deuses, deixou o Olimpo brilhante, assumiu a forma de uma mera mortal e, vestida com roupas escuras, vagou entre os mortais por um longo tempo, derramando lágrimas amargas.

Todo o crescimento na Terra cessou. As folhas das árvores murcharam e voaram. As florestas estavam nuas. A grama desbotou; as flores baixaram suas corolas coloridas e murcharam. Não havia frutos nos pomares, as vinhas verdes secaram, os cachos pesados ​​e suculentos não amadureceram neles. Campos anteriormente férteis estavam vazios, nem uma folha de grama crescia neles. Vida congelada na terra. A fome reinava em todos os lugares: gritos e gemidos eram ouvidos em todos os lugares. A morte ameaçou toda a raça humana. Mas Deméter não viu nem ouviu nada, imersa em tristeza por sua amada filha.

Finalmente, Deméter chegou à cidade de Elêusis. Ali, junto às muralhas da cidade, ela sentou-se à sombra de uma oliveira na "pedra da dor" no próprio "poço das virgens". Deméter ficou imóvel como uma estátua. Suas roupas escuras caíram em dobras retas no chão. Sua cabeça estava abaixada, e lágrimas rolaram de seus olhos uma após a outra e caíram em seu peito. Por muito tempo Deméter ficou assim, sozinha, inconsolável.

As filhas do rei Eleusis a viram, Keleia. Surpreenderam-se ao ver uma mulher chorando com roupas escuras na fonte, aproximaram-se dela e perguntaram com participação quem ela era. Mas a deusa Deméter não se revelou a eles. Ela disse que seu nome era Deo, que ela era de Creta, que ela foi levada por ladrões, mas ela fugiu deles e depois de longas andanças chegou a Elêusis. Deméter pediu às filhas de Celeus que a levassem para a casa de seu pai, ela concordou em se tornar serva de sua mãe, criar os filhos e trabalhar na casa de Celeus. As filhas de Celeus trouxeram Deméter para sua mãe, Metaneyre.

As filhas de Celeus não pensaram que estavam trazendo uma grande deusa para a casa de seu pai. Mas quando trouxeram Deméter para a casa de seu pai, a deusa tocou o topo da porta com a cabeça, e toda a casa se iluminou com uma luz maravilhosa. Metaneira levantou-se para encontrar a deusa, ela percebeu que não um mero mortal havia sido trazido a ela por suas filhas. A esposa de Keleia curvou-se diante do estranho e pediu que ela se sentasse em seu lugar como rainha. Deméter recusou; ela se sentou silenciosamente no banco de empregada simples, ainda indiferente a tudo o que estava acontecendo ao seu redor. A serva de Metaneira, alegre Yamba, vendo a profunda tristeza do estranho, tentou animá-la. Serviu alegremente a ela e a sua dona Metaneira; sua risada soou alta e as piadas caíram. Deméter sorriu pela primeira vez desde que Perséfone foi roubada dela pelo sombrio Hades, e pela primeira vez ela concordou em comer.

Demeter ficou com Celeus. Ela começou a criar seu filho Demofont. A deusa decidiu dar a imortalidade a Demophon. Ela segurou o bebê em seu seio divino, de joelhos; a criança respirou a respiração imortal da deusa. Demeter esfregou ambrosia, e à noite, quando todos na casa de Keley estavam dormindo, ela embrulhou Demophon de fraldas, colocou-o em uma fornalha brilhante. Mas Demophon não recebeu a imortalidade. Assim que Metaneira viu seu filho deitado na fornalha, ficou terrivelmente assustada e começou a implorar a Demeter que não fizesse isso. Demeter ficou brava com Metaneira, levou Demophon fora da cura e disse:

- Oh, tolo! Eu queria dar a imortalidade ao seu filho. torná-lo invulnerável. Saiba que sou Deméter, dando força e alegria aos mortais e imortais.

Demeter revelou Celeia a Metaneira, quem ela era, e assumiu sua forma usual de deusa. A luz divina se derramou sobre as câmaras de Keley. A deusa Deméter estava de pé, majestosa e bela, cabelos dourados caindo sobre seus ombros, seus olhos ardiam com sabedoria divina, fragrância fluía de suas roupas. Metaneira e o marido caíram de joelhos diante dela.

A deusa Deméter ordenou a construção de um templo em Elêusis, na primavera de Kallikhora, e permaneceu nele. Nesse templo, a própria Deméter instituiu festividades.

A tristeza por sua amada filha não deixou Deméter, nem ela esqueceu sua raiva de Zeus. A terra ainda era estéril. A fome estava ficando mais forte, pois nem uma única grama brotou nos campos dos agricultores. Em vão os touros do fazendeiro arrastaram o pesado arado pela terra arável - seu trabalho foi infrutífero. Tribos inteiras pereceram. Os gritos dos famintos correram para o céu, mas Deméter não os atendeu. Por fim, os sacrifícios aos deuses imortais deixaram de fumar na terra. A morte ameaçava todos os seres vivos. O grande Zeus da câmara de nuvens não queria a morte dos mortais. Ele enviou um mensageiro dos deuses a Deméter eu irei. Ela rapidamente correu em suas asas de arco-íris para Elêusis, para o templo de Deméter, chamou-a, implorou-lhe que voltasse ao Olimpo brilhante na hoste dos deuses. Deméter não atendeu a seus apelos. O grande Zeus também enviou outros deuses a Deméter, mas a deusa não quis retornar ao Olimpo antes que Hades devolvesse sua filha Perséfone para ela.

Então o grande Zeus enviou Hermes ao seu sombrio irmão Hades. Hermes desceu ao reino de Hades cheio de horrores, apareceu diante do senhor das almas dos mortos sentado em um trono de ouro e lhe contou a vontade de Zeus.

Hades concordou em deixar Perséfone ir para sua mãe, mas primeiro deu-lhe uma semente de romã, um símbolo de casamento, para engolir. Perséfone subiu na carruagem dourada de seu marido com Hermes; os cavalos imortais de Hades correram, nenhum obstáculo foi terrível para eles, e em um piscar de olhos chegaram a Elêusis.

Esquecendo-se de tudo com alegria, Deméter correu ao encontro da filha e a envolveu em seus braços. Sua amada filha Perséfone estava com ela novamente. Demeter voltou com ela para o Olimpo. Então o grande Zeus decidiu que viveria com sua mãe Perséfone por dois terços do ano e retornaria para seu marido Hades por um terço.

A grande Deméter devolveu a fertilidade à terra, e novamente tudo floresceu, ficou verde. As florestas estavam cobertas de delicadas folhagens primaveris; flores deslumbravam na formiga esmeralda dos prados. Logo os campos de cultivo de grãos começaram a brotar; jardins floridos e perfumados; o verde das vinhas brilhava ao sol. Toda a natureza acordou, Todos os seres vivos se alegraram e glorificaram a grande deusa Deméter e sua filha Perséfone.

Mas todos os anos Perséfone deixa sua mãe, e cada vez Demeter mergulha na tristeza e novamente veste roupas escuras. E toda a natureza chora pelos que partiram. As folhas ficam amarelas nas árvores, e o vento do outono as arranca; as flores murcham, os campos se esvaziam, chega o inverno. A natureza dorme para acordar no alegre esplendor da primavera quando Perséfone retorna para sua mãe do triste reino de Hades. Quando sua filha retorna a Dimeter, a grande deusa da fertilidade derrama seus presentes para as pessoas com uma mão generosa e abençoa o trabalho do agricultor com uma rica colheita.