Русский English 中国 Português 日本語 Indonesia

Orestes vinga o assassinato de seu pai

Muitos anos se passaram desde a morte de Agamemnon. Certa vez, dois jovens vestidos de andarilhos se aproximaram de seu túmulo, localizado próximo ao próprio palácio. Um deles, aparentando ter dezoito anos, estava cingido com uma espada, enquanto o outro, um pouco mais velho, segurava duas lanças na mão. O mais jovem dos jovens foi até a sepultura, cortou uma mecha de cabelo de sua cabeça e a colocou sobre a sepultura.

Orestes mata Egisto
Orestes mata Egisto. Atrás de Orestes - com o machado de Clitemnestra, atrás de Egisto - Electra.
(Desenhando em um vaso.)

Ele era filho de Agamenon Orest, salvo no dia da morte de Agamenon por sua babá e criado longe de sua terra natal pelo rei de Phocis Estrofe. Com ele estava seu amigo, filho de Strophius Pilade. Orestes acabava de fazer seu sacrifício ao pai, quando escravas de vestes negras apareceram na porta do palácio. Eles foram ao túmulo de Agamenon. Entre eles estava a filha do rei assassinado Electra. Ela estava vestida, como todas as escravas, com roupas pretas, seu cabelo estava cortado, a filha do rei não era diferente do resto dos escravos. Orestes e Pílades se esconderam apressadamente no túmulo e começaram a observar o que os escravos fariam. Eles, tendo se aproximado do túmulo, deram um grande grito e andaram ao redor do túmulo três vezes. Clitemnestra enviou os escravos, porque à noite teve um sonho sinistro e temia que a alma de Agamenon se zangasse com ela. Os escravos tiveram que agradá-la. Mas eles odiavam Clitemnestra pelo assassinato de Agamenon e pelo fato de que ela os oprimia. E Clitemnestra os oprimia porque eram todos troianos cativos e, olhando para eles, lembrou-se do marido assassinado.

Em vez de implorar à sombra de Agamenon que tenha misericórdia, Elektra, a conselho dos escravos, começou a invocar a vingança dos deuses sobre a cabeça de Clitemnestra. Caso contrário, ela não poderia fazê-lo. Com toda a força de sua alma, Elektra odiava sua mãe assassina.

Quando o sacrifício foi feito e os escravos estavam prestes a partir, Elektra de repente viu um fio de cabelo no túmulo. Pela semelhança com o cabelo dela, ela imediatamente adivinhou que era o cabelo de Orestes. Ela levantou uma mecha do cabelo e pensou: por que o próprio Orestes não veio; por que ele enviou apenas uma mecha de seu cabelo? Então Orestes aproximou-se discretamente da irmã e a chamou. Elektra não reconheceu Orestes imediatamente, porque só o tinha visto quando criança. Mas Orestes mostrou à irmã as roupas que ela havia tecido para ele. Elektra ficou muito feliz. Orestes disse a ela que veio aqui por vontade do deus Apollo, que em Delfos ordenou que ele se vingasse de sua mãe e Egisto pela morte de seu pai. Apolo ameaçou Orestes com loucura se ele não cumprisse seu comando. Pediu a sua irmã Orestes que tomasse mais cuidado e não contasse a ninguém que havia chegado à sua cidade natal.

Quando Electra se retirou para o palácio, depois de algum tempo Orestes e Pílades também bateram no portão; disseram ao criado que os procurava que precisavam ver Clitemnestra para lhe dar notícias importantes, o Servo chamou-a do palácio, e Orestes disse-lhe que o rei de Fócida lhe pedira que lhe dissesse que Orestes havia morrido, e o rei não soube ser ele com seu corpo. Clitemnestra se alegrou com esta notícia: agora morreu aquele que poderia vingá-la pelo assassinato de seu marido. Ela informou Clitemnestra e Egisto, que estava na cidade, sobre a morte de Orestes, e ele correu para o palácio, sem nem levar consigo seus soldados que o guardavam por toda parte. Egisto correu para a morte certa. Assim que entrou no palácio, caiu, trespassado pela espada de Orestes. Horrorizado, um dos escravos correu para Clitemnestra e começou a pedir ajuda. Ela percebeu que seria punida pelo crime.

De repente, Orestes a penetrou com uma espada ensanguentada. Caindo aos pés de Orestes, Clitemnestra começou a implorar por ela - afinal, ela era sua mãe, que o amamentou com o peito. Orestes não podia poupar sua mãe, ele tinha que cumprir a vontade de Apolo. Ele agarrou sua mãe pela mão e a arrastou para onde estava o cadáver de Egisto, e lá ele a matou. Então Orestes vingou seu pai.

Com horror, o povo começou a se reunir nas portas do palácio, sabendo da morte de Clitemnestra e Egisto. Nenhum dos cidadãos despertou sequer uma gota de piedade pelo odiado tirano Egisto e pela insidiosa Clitemnestra. As portas do palácio se abriram, e eles viram todos os corpos ensanguentados de Egisto e Clitemnestra, e Orestes estava de pé sobre eles. Orestes sentiu-se bem ao cometer esse assassinato: afinal, ele estava cumprindo a vontade de Apolo, vingando a morte de seu pai. Mas de repente, deusas implacáveis ​​da vingança apareceram diante de Orestes As Erínias. Cobras venenosas se contorciam em volta de suas cabeças, seus olhos brilhavam com uma raiva terrível. Orestes estremeceu ao vê-los. Sentiu como sua mente foi gradualmente obscurecida. Deixou o palácio e, perseguido pelas Erínias, foi ao santuário de Apolo em Delfos, esperando que o deus, cuja vontade ele havia cumprido, protegesse ele.