Русский English 中国 Português 日本語 Indonesia

O período dos altos clássicos (século V aC). Guerras do Peloponeso.

A União do Peloponeso.

O estado lacedemônio uniu em torno de si as políticas do Peloponeso, criando no século VI. BC e. União do Peloponeso. Em termos de estrutura, era muito amorfo, sem hierarquia rígida e subordinação centralizada das políticas a um órgão totalmente sindical - a assembleia sindical. Suas reuniões eram raras e apenas a pedido dos espartanos. A união foi a ferramenta de Esparta para a criação de hegemonia no Peloponeso, uma vez que a Lacedemônia estava interessada na desunião das políticas aliadas, isso também foi evidenciado pela forma da aliança, que foi uma série de acordos entre Esparta e as cidades do Peloponeso. A Lacedemônia permitiu que os aliados tivessem não apenas uma estrutura interna oligárquica, mas também democrática, proporcionando uma autonomia bastante ampla às suas políticas, em contraste com a União Ateniense. A soberania parcial permitiu-lhes ser independentes nos assuntos internos. Esparta, por outro lado, reunia satélites apenas por necessidade durante as operações militares, já que a União do Peloponeso tinha tarefas de defesa militar.

Causas da Guerra do Peloponeso de Atenas e Esparta.

A guerra entre Atenas e Esparta, chamada Peloponeso, durou de 431 a 404 aC. e. Seus acontecimentos estão descritos na "História" de Tucídides, o segundo maior historiador da antiguidade depois de Heródoto, e ele deve ser o dono da palma na criação da história como ciência, pois Tucídides foi o primeiro a abordar criticamente suas fontes de informação e analisar em detalhes os eventos em que ele próprio participou.

A guerra refletiu a crise da sociedade grega. Um reino dividido contra si mesmo não pode subsistir, então quando os gregos foram à guerra contra os gregos, sua sociedade começou a desmoronar por dentro. A guerra levou ao enfraquecimento de Atenas e Esparta. Suas razões foram o confronto entre os sistemas oligárquico e democrático, representados por dois sindicatos: o ateniense e o peloponeso, que reivindicavam a liderança na Grécia. O conflito também foi de natureza econômica. Corinto, uma das principais políticas que faziam parte da União do Peloponeso, tinha extensos laços com o Ocidente, negociando com a Grande Grécia e a Sicília. Quando Atenas tentou estabelecer comércio com Siracusa, eles entraram em confronto com Corinto, que se tornou um dos iniciadores da guerra em bases econômicas.

A guerra foi causada por contradições dentro do poder marítimo ateniense, que se transformou na ditadura de Atenas. Algumas cidades se separaram da União Ateniense e se mudaram para o campo oposto. A política de Megara, localizada no Istmo Istmo, saiu da união. Atenas aplicou sanções econômicas, introduzindo o chamado psefismo Megara (432), quando Megaram foi proibido de importar mercadorias para Atenas. A proibição foi um duro golpe para o comércio grego, já que Megara era um ponto de trânsito entre o Peloponeso, o centro e o norte da Grécia. Além disso, Potidea, uma colônia na península de Chalkis, foi depositada da União Ateniense, e Atenas enviou uma expedição militar para lá em 432, já que Potidea também era um ponto importante em termos econômicos.

No início da guerra, Atenas tinha uma grande frota, então eles esperavam realizar operações militares principalmente no mar, com a ajuda de ataques anfíbios no Peloponeso, enquanto os espartanos dependiam do poder terrestre, já que sua falange era considerada invencível. As peculiaridades das hostilidades foram que elas foram travadas não em uma área, mas praticamente em todo o Mediterrâneo: no Peloponeso e na Grécia Central e em Halkidiki, parcialmente na Ásia Menor e na Grande Grécia, ou seja, a guerra cobriu uma grande território. Além disso, foi muito cruel e sangrenta como só uma guerra civil pode ser, pois as forças das partes eram iguais e por muito tempo ninguém conseguiu vencer.

A Guerra de Arquidamo (431-421).

O primeiro período da Guerra do Peloponeso é chamado de Guerra de Arquidamo (431-421). Recebeu o nome do comandante espartano Archidamus, que em 430 organizou uma campanha na Grécia Central: invadiu a Beócia e, depois de arruiná-la, foi para Atenas, devastando a Ática. O estrategista ateniense Péricles sugeriu que os cidadãos não resistissem, mas se refugiassem na cidade, pois graças às "Long Walls" que ele construiu (fortificações de Atenas a Pireu, um porto no Golfo Sarônico), Atenas era um poderoso ponto fortificado. Devido ao acúmulo de pessoas na cidade, iniciou-se uma epidemia de peste ou tifo, que durou três anos. Os atenienses começaram a resmungar e culpar Péricles por seus problemas, porque foi por causa dele que eles permaneceram na cidade e a Guerra do Peloponeso começou não sem sua participação. Pela primeira vez, os atenienses não escolheram Péricles como estrategista, para cujo cargo foi reeleito por quinze anos. Em 429, Péricles, tendo contraído a peste, morreu.

Entre os aliados, o sentimento anti-ateniense aumentou mais fortemente, a agitação começou dentro da união marítima ateniense. Os espartanos (428) capturaram Plataea, onde a conhecida batalha com os persas havia ocorrido anteriormente, e lidaram brutalmente com os habitantes, matando todos os defensores e capturando mulheres e crianças como escravas.

Em 425, o novo estrategista ateniense Demóstenes1 organizou uma expedição militar ao sul do Peloponeso e tomou a cidade de Pilos, conhecida desde os tempos antigos. Demóstenes, do ponto de vista político, agiu com bastante competência, convocando a revolta dos hilotas, que rapidamente passaram para o lado de Atenas. Pela primeira vez, os atenienses conseguiram ocupar os invencíveis espartanos na ilha de Sphacteria, perto de Pilos, e os lacedemônios pediram a paz.

Os cidadãos atenienses foram divididos em duas facções políticas. À frente da primeira estava Cleon, dono de uma oficina de artesanato, que defendia uma guerra com um fim vitorioso, benéfico para mercadores, artesãos e marinheiros. A continuação das hostilidades foi contestada por fazendeiros comuns, liderados pelo grande proprietário de terras Nikias. A Grécia Central foi completamente devastada, pois os vinhedos foram derrubados e as plantações queimadas, o que também se refletiu na literatura da época: Aristófanes, que defendia a paz com os espartanos, criou a comédia "Acarnians", na qual um certo ateniense solteiro - concluiu manualmente um acordo com Esparta: em torno dele o local estava em guerra, o sangue foi derramado e ele estava em paz e prosperidade. Em última análise, o partido da guerra prevaleceu, e Cleon, que nunca havia comandado um exército, foi nomeado comandante por decisão da assembleia popular. Ele foi para Sphacteria e derrotou os espartanos, não entrando em combate direto com o inimigo, mas ordenando aos espartanos que atirassem pedras e lanças sem combate corpo a corpo. Para grande vergonha de Esparta, parte dos lacedemônios foram capturados.

Em 422, os espartanos contra-atacaram, indo por terra para Halkidiki e ocupando a importante fortaleza ateniense de Anfípolis, onde havia minas de madeira e ouro. Além disso, a rota comercial do Mar Negro para o Mediterrâneo passava nas proximidades. Sob Anfípolis, as tropas atenienses foram comandadas pelo futuro historiador Tucídides. Ele era um líder militar medíocre e não podia defender a cidade. Após a derrota, os atenienses expulsaram Tucídides, e ele não teve escolha a não ser escrever a história, graças à qual se tornou famoso muito mais do que no campo militar.

Mundo de Nikia (421-415).

Em 421, ambas as partes exaustas concluíram a paz de Nikiev em homenagem ao nome Nikia, que liderou a delegação ateniense. De acordo com o acordo, Atenas e Esparta se comprometeram a não lutar por cinquenta anos, devolveram prisioneiros uma à outra e libertaram as cidades capturadas. Atenas prometeu ajudar a Lacedemônia a reprimir outra revolta de seus aliados recentes, os hilotas. Os atenienses devolveram os reféns, mas os espartanos não libertaram Anfípolis, o que causou grande indignação entre os atenienses, que decidiram não devolver Pilos.

Expedição siciliana.

O confronto passivo em 415 resultou em um novo conflito. Uma nova figura talentosa, um aluno do famoso filósofo Sócrates Alcibíades, entrou na arena política. Ele era um orador espirituoso e brilhante, um político astuto e sedento de poder que não desdenhava nenhum meio para atingir seus próprios objetivos. Em 415-413 anos. Alcibíades organizou uma expedição militar de Atenas à Sicília. Tendo ocupado esta região da Magna Grécia, importante para a União do Peloponeso, os atenienses teriam conseguido derrotar Esparta. Uma frota poderosa foi equipada, mas na véspera de navegar pelas ruas de Atenas, imagens de Hermes (herms) foram danificadas ou derrubadas. Alcibíades foi acusado de cometer blasfêmia. Mas, durante a expedição, o cargo de comandante de esquadrão foi mantido para ele, pois gozava de grande influência entre o povo.

O exército chegou a Siracusa, e naquele momento foi alcançado por um navio enviado pela assembleia popular exigindo a devolução de Alcibíades e levando-o à justiça. Alcibíades fugiu para Esparta e traiu todos os planos atenienses para inimigos recentes.

Enquanto isso, começou o cerco de Siracusa, e o lugar do fugitivo Alcibíades foi ocupado por Nícias, que ainda não era partidário de ações ativas e sitiou a cidade lentamente, esperando uma rápida retirada das tropas. Apesar da ajuda enviada por Atenas, para Nícias a campanha terminou em tragédia. Perto de Siracusa, seu exército foi derrotado e os atenienses começaram a recuar para a Sicília, onde uma parte significativa dos hoplitas foi feita prisioneira e o próprio Nícias foi executado. Os espartanos forçaram os atenienses cativos a trabalhar em vez de escravos nas minas. A descrição desses eventos encerra a obra de Tucídides.

Dekeley War (413-404).

A conselho de Alcibíades, os espartanos entraram na Ática e capturaram a fortaleza montanhosa de Dequeleia, após o que o estágio final da Guerra do Peloponeso é chamado de Guerra Dekeleiana (413-404). Em Deceleia, os espartanos aproveitaram a técnica recentemente utilizada pelos atenienses em relação aos hilotas, declarando que dariam liberdade a todos os escravos que passassem para o seu lado. Cerca de 20 mil escravos fugiram para os lacedemônios, infligindo um verdadeiro golpe na economia de Atenas, obrigados a aumentar os impostos dos aliados. Esta ação levou ao afastamento de várias cidades da união, em particular, nas ilhas próximas à Ásia Menor. Esparta, entretanto, fez uma aliança com a Pérsia (412-410) e recebeu dinheiro dela para construir uma frota em troca da devolução de algumas cidades da Ásia Menor aos persas no futuro. A Pérsia não tinha força suficiente para intervir de forma independente no conflito e tomar a iniciativa em suas próprias mãos, e foi benéfico para ela enfraquecer ambas as partes em conflito.

Em Atenas, após a expedição siciliana, ocorreu um golpe oligárquico quando o Conselho dos Quatrocentos (411) tomou o poder, abolindo a constituição democrática e decidindo concluir uma aliança com Esparta. Este reagiu ao novo conselho com desconfiança e não concordou com a paz. Apenas a esquadra militar ateniense, localizada ao largo da ilha de Samos, perto da costa da Ásia Menor, não obedeceu ao conselho. A tomada do poder pelos oligarcas foi o primeiro sinal da crise dentro de Atenas.

Alcibíades, entretanto, entrou em conflito com os espartanos e fugiu para a Pérsia, e de lá para os atenienses, que o aceitaram, apesar da traição aberta, pois Alcibíades era um líder militar experiente. Os persas, tendo semeado a discórdia entre os gregos, começaram agora a ajudar Atenas. Alcibíades tornou-se o chefe da frota ateniense, que não obedeceu aos oligarcas, dirigiu-se para Propontis (o moderno Mar de Mármara), e obteve uma vitória brilhante sobre os espartanos, como resultado do domínio ateniense sobre o Negro Estreitos do mar foram restaurados (411-410) e a tirania dos quatrocentos (410) foi derrubada.

O fortalecimento de Atenas não foi benéfico para a Pérsia, que passou a apoiar Esparta, que construiu sua própria frota e derrotou a ateniense. A acusação de derrota foi injusta com Alcibíades, que naquele momento estava em outro lugar e não participou da batalha. No entanto, ele foi expulso (407), e desta vez para sempre. Ele fugiu para o leste, onde morreu mais tarde.

Logo, em 406, os comandantes atenienses obtiveram uma brilhante vitória nas ilhas Arginus (perto de Lesbos), mas foram executados sob uma falsa calúnia por não enterrarem os atenienses mortos e, assim, cometerem blasfêmia. Como resultado, o exército ateniense perdeu comandantes talentosos e tornou-se presa fácil para os lacedemônios, entre os quais Lysander, um líder militar talentoso, mas extremamente vaidoso, que erigiu estátuas para si mesmo e defendeu a restauração do poder real eletivo, avançado. Em sua opinião, uma pessoa inteligente, talentosa e corajosa, ou seja, ele mesmo, deveria ter se tornado o rei. Graças a Lisandro, os espartanos construíram uma frota capaz de resistir aos atenienses e, em 405, obtiveram uma vitória em Egospotamos ("Rio da Cabra") na costa do Helesponto. Esta batalha marcou o ponto de virada final na guerra, pois durante ela a frota ateniense foi quase completamente destruída. Lysander bloqueou Atenas da terra e do mar, a fome começou na cidade e em 404 Atenas se rendeu.

Foi concluído um tratado de paz (404), segundo o qual a União Marítima Ateniense, criada em 479 durante as guerras greco-persas, foi dissolvida, Atenas foi incluída na União do Peloponeso, perdeu sua frota e pagou uma grande indenização. As longas muralhas foram destruídas e um sistema oligárquico foi introduzido em Atenas.

A vitória de Esparta deveu-se em grande parte à sua melhor organização militar. O papel da terceira força, que apoiava um dos lados iguais, foi desempenhado pela Pérsia, que ajudou Esparta com dinheiro na fase final da guerra. A derrota de Atenas foi o resultado de uma discórdia dentro da União Marítima Ateniense, que tinha uma base social estreita - a cidadania ateniense.

Em 404, a tirania dos "trinta" foi instaurada em Atenas, quando a assembleia popular, sob pressão de Lisandro, "elegeu" trinta nobres cidadãos (um deles, Crítias, foi, como Alcibíades, aluno de Sócrates ), cujo dever era compilar a nova constituição de Atenas. Uma guarnição espartana foi introduzida na cidade e o terror aberto começou contra os partidários da democracia: eles foram jogados em prisões e executados. Em oito meses, mil e quinhentas pessoas foram mortas. Em Atenas, um descontentamento monótono amadureceu, o que levou a uma revolta contra os tiranos em 403. Os oligarcas foram expulsos e uma relativa paz foi estabelecida em Atenas. Esparta foi forçada a reconhecer a estrutura democrática restaurada de Atenas e se recusou a interferir em seus assuntos internos.